Fluxo de caixa descontado: uma ferramenta de apoio para avaliação de empresas que auxilia a tomada de decisão na aplicação de recursos em organizações de capital aberto

Emerson Bittencourt, Eduardo Vieira do Prado

Resumo


Este trabalho teve como objetivo a aplicação do método do Fluxo de Caixa Descontado para avaliação de empresas. Os investidores estão sempre buscando meios de proteger o seu patrimônio ou aumentar a sua rentabilidade com aplicações financeiras, para isso utilizam o mercado de capitais como forma de encontrar bons negócios que possam alavancar os seus investimentos. Não é tarefa simples, encontrar na Bolsa de Valores, ações que possam dar retornos significativos em relação ao capital investido. Para isso é necessário fazer algumas análises sobre a organização a qual se pretende aplicar o recurso e uma das ferramentas utilizadas é o Fluxo de Caixa Descontado, que poderá auxiliar o tomador de decisão a escolher os melhores ativos para os seus investimentos. Desta forma, a questão problema norteadora do trabalho foi: Como utilizar o fluxo de caixa descontado para avaliação das organizações?. A metodologia de pesquisa utilizada foi apoiada no estudo de caso, pesquisa bibliográfica e pesquisa documental em demonstrações financeiras divulgadas na BM&F Bovespa e o estudo de caso teve como foco empresas do segmento de energia elétrica, o qual subsidiou a avaliação de empresas por meio do fluxo de caixa com base nos dividendos pagos. Os resultados apresentados foram que a utilização dessa ferramenta permite ao investidor minimizar os riscos existentes no momento de escolher uma empresa para investir, pois o auxilia indicando ativos com base no valor intrínseco, ou seja, através dos cálculos é possível determinar o valor justo de uma ação e compará-la com o valor negociado na Bolsa de Valores. Assim, o investidor terá clarividência na tomada de decisão, porém como trata-se de renda variável o risco sempre existirá, mas torna-se um risco com maior controle ao invés de uma aposta ao acaso e sem a utilização de critérios objetivos para apoio às escolhas.


Palavras-chave


fluxo de caixa descontado; avaliação de empresa; métodos de avaliação; valor justo.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSAF NETO, A.. Finanças corporativas e valor. São Paulo: Atlas, 2003.

ASSAF NETO, A.; LIMA, F. G. Fundamento de administração financeira. São Paulo: Atlas, 2010.

BMF&BOVESPA. Empresas Listadas. Disponível em Acesso em setembro de 2016.

CALIL, J. F. Estrutura de capital, custo de capital e valor de mercado das empresas siderúrgicas brasileiras de capital aberto, no período 1991-2000: São Paulo, 2002. Tese (Doutorado) – Fundação Getúlio Vargas / Escola de Administração de Empresas de São Paulo

EHRBAR, A. Valor Econômico Agregado – A Verdadeira Chave para a Criação de Riqueza. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1999 apud CERQUEIRA et al.. Novas evidências sobre a relação entre geração de valor ao acionista e o valor de mercado das ações: uma análise em painel comparando o EVA e o MVA no mercado brasileiro. Minas Gerais: 2009. Dissertação (Mestrado em Administração)-Universidade Federal de Lavras, Lavras

COPELAND, T. et al. Avaliação de empresas: valuation. 3.ed. São Paulo: Makron Books, 2002.

CPFL ENERGIA; Institucional. Disponível em: Acesso em outubro de 2016.

RICHARDSON, R. J.. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1989 apud DALFOVO, M. S. et al.. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, Blumenau, v.2, n0 4, p. 01- 13, Sem II. 2008 ISSN 1980-7031

DAMODARAN, A. A face oculta da avaliação. São Paulo: Makron Books, 2002.

DAMODARAN, A. Avaliação de investimentos: ferramentas e técnicas para a determinação do valor de qualquer ativo. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1997.

EDP ENERGIAS DO BRASIL. Perfil Corporativo. Disponível em: Acesso em outubro de 2016

EHRBAR, A. Valor Econômico Agregado – A Verdadeira Chave para a Criação de Riqueza. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1999.

ENGIE DO BRASIL. Engie do Brasil. Disponível em: Acesso em outubro de 2016.

FGV Energia. O planejamento e o futuro do setor energético brasileiro. Disponível em: Acesso em setembro de 2016

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

GITMAN, L. J. Princípios de administração financeira. 10. ed. São Paulo: Pearson Addison Wesley, 2004.

GUIAINVEST. Portal do Investidor. Disponível em: Acesso em setembro de 2016

INFOMONEY. Dividend Yeld: conheça como ganhar mais no mercado de ações. 2005. Disponível em Acesso em setembro de 2016

MARTINS, E. et al. da. Avaliação de empresas: da mensuração contábil à econômica. São Paulo: Atlas, 2001.

MÜLLER, A. N.; TELÓ, A. R.. 2003 Modelos de avaliação de empresas. Revista FAE, Curitiba, v.6, n.2, p.97-112, maio/dez. 2003

NEIVA, R.A. Valor de mercado da empresa. 2.ed. São Paulo: Atlas, 1997.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1989.

ROSS, S. A. et al. Administração financeira. São Paulo: Atlas, 1995.

SCHMIDT, P.; SANTOS, J. L.. Avaliação de ativos intangíveis. São Paulo: Atlas, 2002.

ZAPPA HOOG, W. A.; PETRENCO, S. A. Prova pericial contábil. Curitiba: Juruá, 2001


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1984-1213

ISSN 2318-5589

Qualis B4