Auditoria interna: a percepção sobre a importância desta função do ponto de vista dos usuários da informação contábil da região da Baixa Mogiana

Aline Cristina dos Santos Bonifácio Carvalho, Eduardo Vieira do Prado

Resumo


Este trabalho objetivou identificar a percepção dos usuários da informação contábil sobre a importância da auditoria interna nas organizações como uma função que contribua para a veracidade e confiabilidade nas informações, documentos, controles e procedimentos, reduzindo riscos de fraude ou erro. A auditoria pode ser encarada como um instrumento de aprimoramento do sistema de governança corporativa, gerenciamento de riscos e controle das organizações. Assim, a questão problema do trabalho foi identificar qual era a percepção dos usuários da informação contábil da região da baixa mogiana sobre a importância da auditoria interna nas organizações. A metodologia de pesquisa escolhida foi o estudo de caso suportado pela pesquisa bibliográfica e questionários com questões abertas e fechadas. Os resultados demonstraram que os usuários da informação contábil entendem a importância da auditoria interna como um instrumento de melhoria contínua dos controles internos, prevenção e minimização dos riscos, capaz de agregar valor à empresa, contudo, as empresas e respectivos funcionários admitem certa aversão pelo trabalho de auditoria, uma vez que essa função ainda é tida pela maioria como um identificador de problemas, mantendo, portanto, a ideia de que o auditor está na empresa para atrapalhar a rotina da empresa auditada. Assim, os resultados além de elencar aspectos positivos sobre a função de auditoria, também se mostram como um desafio para que os auditores possam se preparar de uma melhor forma para se colocar como um parceiro estratégico nas organizações onde atuam.


Palavras-chave


auditoria interna; controle interno; gerenciamento de riscos; usuários da informação contábil.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, A; ROSSETTI, J.P. Governança Corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2011, 600p.

ALMEIDA, M.C. Auditoria: um curso moderno e completo. 7ª ed. São Paulo: Atlas, 2010, 544p.

ATTIE, W. Auditoria Interna. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2007, 283p.

BOYNTON, W. C et al.. Auditoria. São Paulo: Atlas, 2002, 982p.

CERVO, A. L et al.. Metodologia científica. 6º ed. São Paulo: Pearson; 2007. 162 p.

.

COMMITTEE OF SPONSORING ORGANIZATIONS OF THE TREADWAY COMMISSION (COSO). Gerenciamento de Riscos Corporativos - Estrutura Integrada. 141p., 2007.

CREPALDI, S. A. Auditoria Contábil: teoria e prática. 8ª ed. São Paulo: Atlas, 2012, 856p.

CRUZ, C.; RIBEIRO, U. Metodologia científica: Teoria e prática, 2º edição. Rio de janeiro: Axcel books; 2004. 309 p.

FERNANDES, L. A.; GOMES, J. M. M. Relatórios de pesquisa nas Ciências Sociais: características e modalidades de investigação. Porto Alegre: ConTexto; 2003, 23 p.

GIL, A. C. Estudo de caso: Fundamentação científica, subsídios para coleta e análise de dados, com redigir o relatório. São Paulo: Atlas; 2009. 148 p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Governança Corporativa. Disponível em . Acesso em maio de 2016.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5º ed. São Paulo: Atlas; 2003. 311 p.

MARION, J.C. Contabilidade Básica. 10ª ed. São Paulo: Atlas, 2009, 272p.

PADOVEZE, C.L. Manual da Contabilidade Básica: uma introdução à prática contábil. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 1996, 300p.

RIBEIRO, O. M.; RIBEIRO, J. M. Auditoria Fácil. São Paulo: Saraiva, 2011, 365p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1984-1213

ISSN 2318-5589

Qualis B4